Notícias

Avaí empata com a Chapecoense e está fora do Catarinense

Daniel Amorim comemora belo gol em sua volata aos gramados         Foto: André Palma Ribeiro / Avaí FC  

O Avaí empatou em 1 x 1 com a Chapecoense na noite desta quinta-feira (30), na Ressacada, sem público, e está fora do Catarinense 2020. A equipe precisava vencer por diferença de dois gols para decidir nos pênaltis e não conseguiu passar de fase. O projeto da equipe a partir de agora é a Série B e o acesso à Série A, com estreia marcada diante do Náutico, na Ressacada, no outro sábado (8), às 19 horas.

Com a derrota no primeiro jogo por 2 x 0, o Avaí armou uma estratégia para tentar fazer a vitória com diferença e buscar a vaga. A equipe iniciou pressionando o adversário, dominando as ações até chegar ao gol de Daniel Amorim, aos 21 minutos. Wesley fez bela assistência entre os zagueiros e Daniel, que não jogava há mais de um ano, concluiu com perfeição para as redes.

O empate veio num contra-ataque rápido, aos 28 minutos, com Aylon, depois de um cruzamento da direita. O gol atrapalhou bastante os planos do Avaí. O técnico Rodrigo Santana tentou alterações, a equipe chegou a criar situações para vencer, mas não deu. O resultado de 1 x 1 frustrou os planos de defender o título conquistado em 2019 sobre a mesma Chapecoense, na Ressacada.

Ficha técnica 

Avaí 1 x 1 Chapecoense 

Local: Estádio da Ressacada – Florianópolis

Campeonato Catarinense 2020

Arbitragem: Rafael Traci

Assistentes: Helton Nunes e Thiago Americano Labes

Quarto árbitro: Gustavo Baggioratti

Avaí – Lucas Frigeri; Arnaldo (Lourenço), Rafael Pereira, Airton e Capa; Ralf, Bruno (Gastón Rodriguez) e Wesley (Pedro Castro); Rildo (Vinícius Jaú), Daniel Amorim e Valdívia (Jonathan). Técnico – Rodrigo Santana

Chapecoense – João Ricardo; Ezequiel, Joilson, Luiz Otávio e Alan Ruschel; Matheus, Guedes (Ronei), Anderson Leite e Dener (Lima); Paulino Moccelin (Rone) e Aylon (Alan Grafite). Técnico – Umberto Louzer

Gols: Daniel Amorim 21 min e Aylon 28 min do 1T

COLETIVA DO TÉCNICO RODRIGO SANTANA